Olfato e a memória

enjoo em viagens - otorrino Dra. Maria Dantas
Como evitar o enjoo durante viagens?
fevereiro 18, 2019
tontura, dra maria dantas godoy explica como evitar
Tontura: 30% da população mundial sofre desse mal!
março 18, 2019
Exibir tudo

Olfato e a memória

olfato e memória - dra maria dantas godoy explica a ligação

Olfato é um dos cinco sentidos do ser humano. Junto com a audição, paladar, visão e tato ajuda o cérebro a formar as memórias. Conforme os homens foram evoluindo, desenvolveram cada vez mais a habilidade de memorizar os fatos, situações e vivências. Mas os cheiros e, portanto, especificamente o olfato, é responsável por recordações ou trazer a tona memórias muitos mais facilmente do que os demais sentidos.

Sem dúvidas você já sentiu algum perfume e lembrou especificamente de alguma pessoa. Ou ainda, ao cheirar um alimento, recordou-se de uma ocasião especial em que este era o prato principal.

Mas, por que nos lembramos de situações muito mais pelo olfato do que pela visão ou audição? A resposta para esta pergunta está nas explicações neurocientíficas!

<<Leia também: Riscos que a perda do olfato traz>>

O olfato

Dra. Maria Dantas Godoy, otorrinolaringologista com especialização em olfato, explica que o nariz é ricamente inervado e possui células altamente especializadas na identificação dos cheiros. A resposta é transmitida, através dos neurônios, para regiões específicas do cérebro.

“O bulbo olfativo é a área cerebral responsável por processar tais informações. Uma característica muito interessante, e que o diferencia das demais regiões cerebrais, é a proximidade e as conexões que faz com o sistema límbico”, desenvolve a médica.

Dra Maria ainda esclarece que o sistema límbico, em resumo, é a parte responsável pelas emoções e memórias. As conexões que realiza com o centro do olfato justificam a estrita ligação entre cheiros e emoções.

“Tal resposta é específica para este sentido, pois, a visão, o tato e a audição precisam ser processados primeiramente em outros centros, para que depois as informações sejam enviadas ao hipocampo – que é uma “parte” do sistema límbico, responsável pelas lembranças”, expõe a otorrino.

Aproveitando-se destas conexões cerebrais

A estrita relação entre olfato e memória, curiosamente, é utilizada em algumas campanhas de Marketing. Lojas e estabelecimentos utilizam aromas específicos para atrair seus clientes e também para serem lembrados por eles.

Além disso, os cheiros podem ser aproveitados quando se deseja memorizar um conteúdo de uma prova ou concurso, auxiliando o candidato.

De forma menos positiva, o olfato também pode remeter às experiências negativas e traumas, ocasionando inquietação nos indivíduos. 

Dra. Maria Dantas Godoy é médica otorrinolaringologista, com especialização em olfato. Atende em São Paulo, no bairro do Itaim Bibi e opera nos principais hospitais da cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.