Outono – doenças respiratórias

Olfato – como afeta nossa vida?
março 13, 2018
Como o sono afeta a saúde?
abril 17, 2018
Exibir tudo

Outono – doenças respiratórias

Outono é sinônimo de doenças respiratórias. O ar mais seco e frio faz com que as pessoas permaneçam mais em lugares fechados e aglomerados, o que favorece a contaminação do ar por vírus e bactérias, causando doenças contagiosas. É preciso prevenir-se dos males dessa estação.

O verão dá lugar ao outono, que chega com as doenças respiratórias típicas da estação. Isso acontece porque nessa época há uma redução na incidência de chuvas, baixando a umidade do ar e as temperaturas. Essa mudança brusca afeta o sistema imunológico, favorecendo o surgimento de doenças respiratórias.

No outono são comuns doenças respiratórias, inflamatórias e alérgicas como gripes, resfriados, bronquiolite, rinite, sinusite, laringite, asma, bronquite, conjuntivite, otite e pneumonia.

Com os dias mais frios, a tendência é as pessoas buscarem ambientes mais quentes e fechados. A aglomeração de pessoas em situações assim propicia a transmissão dessas doenças pelo ar. É importante manter o ambiente arejado, por mais que a temperatura esteja baixa, para que possa haver a troca do ar. Um adulto pode transmitir uma gripe ou resfriado um dia antes dos sintomas e até cinco dias após. Crianças podem ser responsáveis pelo contágio no período de sete a dez dias.

“As doenças respiratórias do outono não costumam apresentar gravidade, desde que sejam acompanhadas por um otorrino, pois podem trazer complicações, como a sinusite bacteriana e pneumonia. Se os sintomas como febre, tosse e catarro amarelado persistirem por mais de três dias, é recomendável procurar um otorrinolaringologista”, alerta a dra. Maria Dantas Godoy, otorrino com consultório em São Paulo,no Itaim Bibi. Dê preferência aos consultórios, quando possível, pois os hospitais e pronto socorros recebem um número grande de pessoas nessa época, com vários tipos de vírus e bactérias, o que aumenta a possibilidade de contágio.

Crianças e idosos compõem o grupo com maior risco de complicações, além de portadores de doenças crônicas, diabéticos, pacientes com insuficiência renal, portadores de HIV positivo. A automedicação é totalmente desaconselhável, principalmente na gestação, pois um simples antigripal pode trazer sérias complicações para o bebê.

A melhor forma de se evitar essas doenças é a atenção com a alimentação e a hidratação, tomando de 1,5 a 2 litros de água diariamente; lavar bem as as mãos, evitar aglomerações; manter os ambientes arejados e prevenir-se de alterações bruscas de temperatura ao sair de locais fechados.

Fontes Consultádas
http://www.alergoar.com.br/outono.html
https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/previna-se-das-doencas-tipicas-do-outono
http://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2017/04/doencas-tipicas-de-outono-e-inverno-como-manter-seu-filho-longe-do-pronto-socorro.html
https://www.ipmet.unesp.br/4estacoes/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.